AGENDA

  • 10:00-10:30

Poderia o desmatamento da Amazônia desencadear um ponto de inflexao?

Virtual Room GLF EN

A Amazônia e uma das florestas de chuva tropicais mas grande e com a maior biodverside do mundo – mas poderia o desmatamento a empurrar alem de um ponto de inflexao? Os scientificos acreditam que isso poderia acontecer nos proximos 20 anos, com consequencias calamitosas pelo clima. Aqui tem tudo o que se precisa saber sobre a morte regresiva da Amazonia, mais a Corrente do Golfo, a camada de gelo da Antártida Occidental e outros pontos de inflexao climaticos.
Esta sessão será em Inglês.

Capítulo: Introdução (0:00)

Se a floresta amazônica fosse um país, seria o sétimo maior do mundo. Abrangendo nove países da América do Sul, cobre cerca de 5,5 milhões de quilômetros quadrados, o que a torna quase o dobro do tamanho da Índia.

A Amazônia abriga pelo menos 10% de todas as espécies conhecidas em todo o planeta, com cerca de 30 milhões de pessoas de mais de 350 diferentes grupos étnicos.

É também uma de nossas defesas mais importantes contra as mudanças climáticas, armazenando até 200 bilhões de toneladas de carbono, o equivalente a cerca de cinco anos de emissões globais de carbono da queima de combustíveis fósseis.

Mas os humanos estão lentamente destruindo-a. Cerca de 18% da Amazônia já foi destruída, e muitos cientistas acreditam que podemos em breve chegar a um ponto de inflexão onde a Amazônia começa a secar e não pode mais funcionar como uma floresta tropical.

Capítulo: O Dieback (declínio) da Amazônia (0:48)

Então, o que isso significaria para seu povo, para a vida silvestre – e o resto do mundo?

Como a palavra sugere, uma floresta tropical é uma floresta predominantemente perene que recebe grandes quantidades de chuva. As florestas tropicais são encontradas em todos os continentes, exceto na Antártida, da Amazônia na América do Sul à floresta tropical do Congo na África Central e as várias florestas tropicais do sudeste da Ásia e da Nova Guiné. Elas são o lar de mais da metade das espécies conhecidas no mundo – apesar de cobrirem apenas 6% da superfície da terra

Existem dois tipos de floresta tropical: temperada e tropical, e a maior floresta tropical do mundo é – você adivinhou – a Amazônia.

A maneira como as florestas tropicais podem se sustentar é que muitas vezes se regam sozinhas. As florestas tropicais são quentes e úmidas, e essa umidade leva a chuvas frequentes e intensas. As plantas absorvem a água da chuva e a liberam de volta para a atmosfera através da evaporação e transpiração. Portanto, a chuva e a umidade ajudam a manter a floresta tropical, mas, ao mesmo tempo, a floresta tropical também ajuda a manter o clima chuvoso e úmido. Na verdade, as florestas tropicais podem gerar até 75% de sua própria chuva.

Mas o que acontece quando uma floresta tropical é cortada? O desmatamento é uma das maiores ameaças às florestas tropicais em todo o mundo. A Amazônia já perdeu 18% de sua cobertura florestal, e está perdendo 1% a cada três anos. Algumas das principais forças motrizes do desmatamento incluem exploração madeireira, pecuária, mineração e agricultura.

Os cientistas temem que a Amazônia possa em breve atingir um ponto de inflexão onde comece a secar permanentemente. Veja como isso funcionaria: menos árvores significa menos transpiração, e uma vez que a cobertura florestal caia abaixo de um certo ponto, a floresta tropical não produzirá mais chuva suficiente para se sustentar. Então, em apenas 15 a 20 anos, poderíamos ver grandes partes da Amazônia começando a se transformar de uma floresta tropical em um ecossistema muito mais seco com muito menos árvores, em um processo conhecido como ‘dieback.’

Isso liberaria enormes quantidades de dióxido de carbono na atmosfera, contribuindo para a mudança climática. Também significaria a perda da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos, como polinização, água potável e recreação, o que teria consequências drásticas mesmo a milhares de quilômetros de distância.

As árvores da Amazônia fornecem umidade que é levada pelo vento pelas Américas e talvez até o Centro-Oeste dos Estados Unidos. Portanto, o colapso da Amazônia pode levar a secas mais frequentes e baixo rendimento agrícola em todo o hemisfério ocidental. Essas mudanças podem causar trilhões de dólares em danos à economia global – e podem levar séculos para serem revertidas, se é que podem ser revertidas.

Capítulo: Quais são os pontos de inflexão climática? (3:24)

O dieback da Amazônia é um excelente exemplo do que é conhecido como ponto de inflexão climático: uma pequena mudança no sistema climático que pode ter consequências drásticas de longo prazo para todo o planeta.

Você pode pensar nisso como um jogo de Jenga: à medida que a temperatura da terra sobe, estamos removendo blocos da torre e colocando-os no topo, fazendo com que fique cada vez mais instável, até que, eventualmente, a torre não consiga mais se sustentar e desmorone.

Em 2019, uma equipe de cientistas do clima identificou nove pontos-chave no sistema climático, desde o dieback da Amazônia até a perda de recifes de coral até o derretimento do permafrost do ártico. Cruzar qualquer um desses limites provavelmente faria com que as mudanças climáticas se acelerassem rápida e irreversivelmente, e poderia até mesmo desencadear outros pontos de inflexão, causando um efeito dominó.

Capítulo: Mantos de gelo da Groenlândia e da Antártida (4:12)

Infelizmente, há um ponto de inflexão que estamos muito perto de cruzar. Cerca de 99% da água doce do mundo está atualmente armazenada nos mantos de gelo da Groenlândia e da Antártida.

Lembre-se de que uma das maiores ameaças das mudanças climáticas é a elevação do nível do mar, que se deve principalmente ao derretimento do gelo terrestre e marinho próximo aos polos. A parte ocidental da Antártida contém gelo suficiente para elevar o nível global do mar em 3,3 m, ou quase 11 pés.

Existem duas geleiras na Antártida Ocidental que preocupam os cientistas: a geleira Thwaites, a maior geleira da terra, cobrindo uma área do tamanho da Grã-Bretanha, e logo ao lado dela, a geleira Pine Island, que é um pouco menor.

Ambas as geleiras têm o que é conhecido como plataformas de gelo que são grandes paredes de gelo que flutuam no topo do oceano, e atuam como uma ‘rolha na garrafa’ para segurar o resto do manto de gelo no lugar. Mas, à medida que a terra fica mais quente, a frente das plataformas de gelo está se quebrando, fazendo com que o gelo flua para o oceano mais rápido do que nunca.

Além disso, Thwaites e Pine Island estão situadas em um leito rochoso abaixo do nível do mar. À medida que a água quente atinge as plataformas de gelo, ela faz com que as geleiras derretam por baixo. Isso empurra para trás o ponto onde a borda da geleira fica na rocha, o que faz com que ainda mais gelo seja levantado da terra e flutue na água. Isso está fazendo com que o nível global do mar suba; é como adicionar cubos de gelo a uma bebida.

Desde 2017, Pine Island recuou cerca de 4,5 km a cada ano, quase o dobro da taxa em 1992. Se ambas as geleiras derretessem, elas poderiam elevar o nível global do mar em mais de um metro.

Embora não saibamos onde estão esses pontos de inflexão, alguns cientistas do clima acreditam que eles podem ser acionados se as temperaturas globais aumentarem apenas 1,5 grau. Outros dizem que Thwaites já ultrapassou um ponto de inflexão e entrará em colapso eventualmente.

De qualquer forma, a única maneira de evitar um colapso total da Antártida Ocidental é reduzir nossas emissões de gases de efeito estufa o mais rápido possível para manter o aquecimento global ao mínimo.

Capítulo: A Corrente do Golfo (6:13)

Você já se perguntou por que os invernos na Europa Ocidental são muitos mais quentes no leste da América do Norte? Por exemplo, Lisboa está quase exatamente na mesma latitude de Washington, DC, ma sua temperatura média em janeiro é de cerca de 11 graus Celsius, em comparação com apenas 3 graus em Washington.

A resposta tem muito a ver com as correntes oceânicas no Atlântico. Uma dessas correntes é conhecida como a Corrente do Golfo, que transporta água quente do Golfo do México para o norte, através do Atlântico, em direção à Europa, onde libera calor na atmosfera.

A Corrente do Golfo é parte de um sistema maior conhecido como Circulação de Revolvimento Meridional do Atlântico (Atlantic Meridional Overturning Circulation – AMOC). AMOC funciona como uma correia transportadora oceânica global que ajuda a distribuir calor e energia ao redor do mundo. Conforme a água se move para o norte, ela se torna mais fria e salgada devido à evaporação, tornando-a mais densa. Essa água fria afunda mais fundo no oceano perto da Islândia e da Groenlândia e viaja de volta para o sul até a Antártida e para os Oceanos Índico e Pacífico, onde sobe de volta à superfície. Eventualmente, ele retorna ao Atlântico para completar um ciclo que pode levar cerca de 1.000 anos.

Mas os cientistas descobriram que o sistema está ficando mais lento. Já está cerca de 15% mais fraco do que na década de 1950 e agora está no seu ponto mais fraco em pelo menos 1.600 anos.

A mudança climática está piorando o problema. Lembre-se de que a água fria e salgada é mais densa, o que faz com que ela afunde, enquanto a água mais quente e menos salgada sobe. Conforme a terra fica mais quente, as geleiras estão derretendo e as chuvas aumentam. Quanto mais chove e quanto mais as geleiras derretem, menos salgado se torna o oceano. Isso torna a água menos capaz de afundar e toda a circulação fica mais lenta.

Portanto, agora, a grande questão é: será que isso pode cruzar um ponto de inflexão onde pode haver a paralisação completa da circulação, como no filme de Hollywood O Dia Depois de Amanhã?

Tudo bem, então o filme é baseado em uma ciência incompleta, e o mundo não está realmente caminhando para outra era do gelo. Mas provavelmente ainda veríamos um clima mais frio em grande parte do hemisfério norte, tempestades de inverno mais frequentes na Europa, mudanças drásticas nos padrões de chuva e um aumento de meio metro no nível do mar, além de todos os outros impactos das mudanças climáticas.

E, mais uma vez, os cientistas não têm certeza onde o ponto de inflexão encontra-se, mas já estamos vendo os primeiros sinais de que a AMOC pode estar à beira do colapso. Ainda assim, temos uma boa chance de evitá-lo – se pudermos manter o aquecimento global abaixo de 2 graus Celsius.

Capítulo: Por que precisamos de ação climática (8:44)

Há um traço comum entre esses pontos de inflexão climática; precisamos agir agora para impedir a mudança climática descontrolada. Segundo a ONU, o mundo está no caminho para mais de 3 graus de aquecimento até o ano 2100 – e os líderes mundiais não estão fazendo o suficiente para evitar que isso aconteça.

Na Amazônia brasileira, o desmatamento aumentou com o Presidente Jair Bolsonaro, que enfraqueceu as proteções ambientais e encorajou o desenvolvimento na Amazônia desde que assumiu o cargo em 2019. As taxas de desmatamento no Brasil estão agora em seu ponto mais alto em 12 anos.

E apesar das novas metas climáticas de países ricos como os EUA, Canadá, Japão e o Reino Unido, elas são apenas o suficiente para limitar o aquecimento global a 2,4 graus – sem mencionar que pouco aconteceu na forma de políticas reais para alcançar essas metas.

Mas a crise climática não vai esperar. As ondas de calor se tornarão muito mais prováveis nas próximas décadas, conforme o planeta esquenta. E à medida que incêndios florestais, inundações, furacões e outros desastres climáticos se tornam mais frequentes e intensos, a responsabilidade de agir antes que seja tarde demais recai sobre nós.

Então, é isso para o episódio de hoje. Deixe-nos saber nos comentários o que você acha que seria necessário para manter o aquecimento global abaixo de 2 graus. E se você gostou desse vídeo, lembre-se de apertar o botão de curtir e se inscrever em nosso canal para mais conteúdo da TV Paisagem. Obrigado por assistir, nos veremos na próxima vez.